Algo que já é bem aceito pela comunidade científica, é a de que a microbiota gastrointestinal tem papel importantíssimo na saúde humana. Inclusive, essa grande comunidade de bactérias, vírus, fungos e leveduras, são chamadas de segundo genoma.

A microbiota gastrointestinal é ainda capaz de gerar energia e nutrientes, como é o caso dos ácidos graxos de cadeia curta. Esses produtos gerados são essenciais para manter a barreira mucosa saudável.

A disbiose intestinal parece ser um fator-chave em muitas condições gastrointestinais, incluindo o câncer, no entanto, como esses microrganismos afetam a carcinogênese, ainda é um processo desconhecido. 

Para além do seu papel na carcinogênese, é possível que a microbiota intestinal influencie os resultados clínicos no tratamento contra o câncer. Por outro lado, o tratamento afeta a composição da microbiota intestinal. 

Mas quais seriam esses potenciais mecanismos da microbiota intestinal na carcinogênese? Quais as implicações disso para o diagnóstico e tratamento do câncer? Continue lendo para entender mais um pouco dessa relação.

A influência da microbiota no risco de câncer é multifatorial

Cerca de 15 a 20% dos cânceres conhecidos são causados por um agente infeccioso específico. Mas outros fatores influenciam o papel da microbiota no desenvolvimento do câncer. A microbiota gastrointestinal é capaz de afetar a função imunológica, o metabolismo e a proliferação celular do hospedeiro.

O aumento de citocinas pró-inflamatórias em decorrência da inflamação crônica da disbiose, é um fator de risco para a iniciação e progressão do câncer. A inflamação pode levar a danos no DNA epitelial, incluindo alterações epigenéticas, influenciando a disseminação do câncer e impactando o tratamento.

Impacto da microbiota no tratamento do câncer

O interesse em estudar os impactos da microbiota no tratamento do câncer não é à toa, muitos medicamentos são metabolizados pelas bactérias, da mesma forma, esses medicamentos afetam a composição da microbiota. 

Quimioterapia

Os compostos que são a base de platina, exercem seus efeitos causando danos ao DNA, o que induz a apoptose celular. As evidências de modelos pré-clínicos atuais, demonstram que a microbiota intestinal, pode servir como um indicador preditivo da resposta ao tratamento.

Em camundongos, foi observado que bactérias comensais, modulam a produção de espécies reativas de oxigênio em células mieloides infiltrantes de tumor, após o uso de oxaliplatina, aumentando a regressão tumoral. O uso de antibióticos juntamente com oxaliplatina e cisplatina reduziu o efeito na regressão tumoral, assim como na sobrevida dos animais. 

Radioterapia

A radioterapia está associada com alguns efeitos colaterais como mucosite, diarreia, dermatite e supressão da medula óssea. Estudos clínicos mostraram que a radioterapia altera significativamente a abundância e diversidade da microbiota intestinal.

A radiação foi capaz de reduzir os Firmicutes e Bacteroidetes, assim como aumentou a Proteobacteria, na maioria das vezes a Enterobacteriaceae. A disbiose localizada foi associada ao dano tecidual pós-radiação.

Apesar de não terem sido publicados estudos que avaliassem o efeito da microbiota intestinal nos resultados da radioterapia, foi observado que essa comunidade de microrganismos é capaz de afetar a radiossensibilidade dos tecidos. 

Imunoterapia

Um estudo de 2015 mostrou que a Imunoterapia anticâncer por bloqueio de CTLA-4 depende da microbiota intestinal. A eficácia da terapia depende das populações de B fragilis e/ou Bacteroides thetaiotamicron e Burkholderiales e também da resposta de células T a B fragilis e B thetaiotamicron.

A presença de A muciniphila e E hirae também demonstrou ser mais abundante em camundongos que responderam ao tratamento com anti-PD-1, quando comparados àqueles que não responderam.

Na luz desse recente conhecimento de que a microbiota pode afetar positivamente o tratamento contra o câncer, mais estudos que possam traduzir os achados pré-clínicos para o ambiente clínico são essenciais. É de suma importância entendermos cada vez melhor, a influência da microbiota intestinal na saúde humana.

Até onde vai o seu conhecimento acerca desse assunto? Continue nos acompanhando para se manter atualizado. 

▪️ Endorp Endoscopia&Diagnóstico

Deixe uma comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Instagram